BAIRROS

Qual seu Bairro? Estado: Cidade:

CONHEÇA O GOOGLE SUÍTE - GSUITE, UM NOVO MUNDO PARA SUA EMPRESA - CLIQUE AQUI!

A Dura Vida Do Beija Flor Aparencia Fragil E Delicada Esconde Especie Agressiva E Egoista - - Guia Branca - Espirito Santo


Fonte: https://epoca.globo.com/a-dura-vida-do-beija-flor-aparencia-fragil-delicada-esconde-especie-agressiva-egoista-22875438


Voltar

Compartilhar Recomendar Tweet GOOGLE+ Buscar Buscar no site do Globo Principios Editoriais PUBLICIDADE Miguel Reale Júnior, que defendeu o impeachment, prega... Ibope mostra que campanhas de Ciro e Alckmin estão... Mourão ainda não disse quem são os notáveis que quer... Basta de ditaduras! Fora, golpistas! Brasil importou o que houve de pior na eleição dos EUA e... A dura vida do beija-flor: aparência frágil e delicada esconde espécie agressiva e egoísta Sexo, por exemplo, só consegue à força Beija-flor-de-veste-preta é um dos mais coloridos e, provavelmente, o colibri mais comum do país - Divulgação por Ana Lucia Azevedo 12/07/2018 8:19 / Atualizado 12/07/2018 9:16 PUBLICIDADE Nem tudo são rosas para quem vive de flores. Os dias num mundo feito de néctar e cores se passam em ataques contra inimigos maiores e coração acelerado a literais 1.000 batidas por minuto. Sexo, só o conquistado no grito. É dura a vida do beija-flor. O deleite está em apreciá-los, o que no Brasil pode ser feito em quase qualquer lugar, do asfalto à floresta. Ou até mesmo nas páginas de livros, como o recém-lançado Beija-flores do Brasil (editora Marte), que torna essas obras-primas da natureza em obras de arte em papel. Esse não é o primeiro guia sobre beija-flores brasileiros, mas inova ao tratar a arte com o rigor da ciência. “Ilustrações são melhores porque muitas espécies são difíceis de fotografar, e as fotos nem sempre mostram os detalhes”, explicou Luís Fábio Silveira, um dos autores do livro e o curador da maior coleção de aves brasileiras do mundo, a do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (USP). Silveira assina os textos, e Eduardo Parentoni Bretta as ilustrações. O mineiro Bretta trabalha para alguns dos principais centros de ornitologia do país e do exterior, como os da USP e o da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos. “É um privilégio ter o trabalho de Brettas, o maior pintor de aves do Brasil”, elogiou Silveira. Ganham novos ares o brilho-de-fogo (Topaza pella), o maior e um dos mais belos colibris do Brasil, e raridades como o rabo-branco-de-margarette, ou balança-rabo-de-margarette (Phaethornis margarettae), cujo nome popular acabou por se tornar uma duvidosa homenagem a Margaretta du Pont Greenewalt, mulher de Crawford Hallock Greenewalt, que foi presidente da DuPont e conservacionista. Hoje esse rabo-branco só existe em algumas poucas áreas do litoral da Bahia e do Espírito Santo. O livro chama a atenção também para o pouco conhecido microcosmo dos beija-flores, onde a aparência muitas vezes engana. Nele, as cores não se originam de pigmentos, mas da iridescência. O fenômeno óptico é produzido por estruturas nas penas que refletem a luz em diferentes ângulos e fazem com que a tonalidade e o brilho mudem de acordo com a posição do observador. Daí se originam os nomes indígenas colibri — resplandecente —, guainumbi — ave cintilante — e guaraciaba — raio de sol. Para reproduzir em tinta o espetáculo de plumas e penas de cada uma das 87 espécies do Brasil, Brettas precisou recorrer a uma paleta de mais de 2 mil cores. As menores espécies, como o topetinho-vermelho (Lophornis magnificus), pesam 2 gramas, menos que a finada moeda de R$ 0,01, e chegam a não mais que 6 centímetros — perdem até para besouros. As maiores, como o brilho-de-fogo e o beija-flor-tesoura (Eupetomena macroura) — uma das mais comuns do país —, figuram fácil em qualquer jardim, pesam 9 gramas e medem até 20 centímetros. Beija-flor-de-veste-verde vive em uma estreita faixa do norte da Amazônia. Pouco conhecido e raras vezes observado - Divulgação Tudo é superlativo na vida desses passarinhos que comem para se mover e se movem para comer. Um colibri precisa visitar até 2 mil flores por dia. Para isso, voa quase sem cessar, chega a 80 quilômetros por hora, com tiros curtos de 150 quilômetros por hora. O coração alcança 1.200 batimentos por minuto em movimento, reduzidos para 600 quando a ave está pousada. O coração do ser humano bate de 60 a 100 vezes por minuto. Nem Usain Bolt, o homem mais rápido do planeta, que já chegou a 45 quilômetros por hora, tem fôlego para se comparar ao menor dos colibris. Gastar tanta energia exige a ingestão de até oito vezes o peso do próprio corpo por dia em comida. Mas essas avezinhas que amam açúcar são tudo menos doces. Por flores e pela própria vida, brigam com o planeta. Audácia, excesso de autoestima e absoluta falta de noção de perigo se explicam por necessidade. Néctar não é tão abundante quanto parece. Símbolos de jardins de paz e contemplação, beija-flores são fúria concentrada em plumas. “São agressivos com outros beija-flores e até mesmo com aves muito maiores. Chegam a atacar predadores de passarinhos, como gaviões e corujas. Tamanho definitivamente não é problema para eles”, disse Fernando Pacheco, um dos mais respeitados especialistas em aves do Brasil. PUBLICIDADE O beija-flor-tesoura, por exemplo, concorre ao título de peso-pena mais folgado do reino animal. Pesa 9 gramas, mas não se furta a atacar preventivamente gaviões-carijós, ávidos comedores de passarinhos, que pesam cerca de 30 vezes mais do que eles. Quando um beija-flor descobre uma boa flor, cheia de néctar, toma-a para si. Fica de guarda empoleirado na vizinhança e ai de quem se atreva a beijar sua preferida, mesmo que seja da própria espécie, observou Pacheco. Invasores são repelidos a bicadas. Não há espaço para gentileza numa vida sem descanso. Mesmo os minúsculos topetinhos encaram espécies maiores. Pense em 2 gramas de impetuosidade e beleza. “Eles nem são os mais agressivos, mas ainda assim são superbriguentos”, contou Luciano Lima, coordenado
... ++ Mais

TAGS:

Compartilhar Recomendar Tweet GOOGLE+ Buscar Buscar site Globo Principios Editoriais PUBLICIDADE Miguel Reale Júnior defendeu impeachment prega... Ibope mostra campanhas Ciro Alckmin estão... Mourão ainda não disse quem são notáveis quer... Basta ditaduras! Fora golpistas! Brasil importou houve pior eleição e... dura vida beija-flor: aparência frágil delicada esconde espécie agressiva egoísta Sexo exemplo consegue força Beija-flor-de-veste-preta mais coloridos provavelmente colibri mais comum país Divulgação Lucia Azevedo 12/07/2018 8:19 Atualizado 12/07/2018 9:16 PUBLICIDADE tudo são rosas para quem vive flores. dias mundo feito néctar cores passam ataques contra inimigos maiores coração acelerado literais 1.000 batidas minuto. Sexo conquistado grito. dura vida beija-flor. deleite está apreciá-los Brasil pode feito quase qualquer lugar asfalto floresta. até mesmo páginas livros como recém-lançado Beija-flores Brasil (editora Marte) torna essas obras-primas natureza obras arte papel. Esse não primeiro guia sobre beija-flores brasileiros inova tratar arte rigor ciência. “Ilustrações são melhores porque muitas espécies são difíceis fotografar fotos sempre mostram detalhes” explicou Luís Fábio Silveira autores livro curador maior coleção aves brasileiras mundo Museu Zoologia Universidade São Paulo (USP). Silveira assina textos Eduardo Parentoni Bretta ilustrações. mineiro Bretta trabalha para alguns principais centros ornitologia país