BAIRROS

Qual seu Bairro? Estado: Cidade:

CONHEÇA O GOOGLE SUÍTE - GSUITE, UM NOVO MUNDO PARA SUA EMPRESA - CLIQUE AQUI!

Orcamento Publico Nao Da Conta Do Minimo Necessario - - Cidade - Estado


Fonte: https://oglobo.globo.com/economia/orcamento-publico-nao-da-conta-do-minimo-necessario-21814776


Voltar

Home menu Home Rio Ancelmo.com Gente boa Carnaval Bairros Design Rio Eu-repórter Trânsito Brasil Lauro Jardim Elio Gaspari Merval Pereira José Casado Poder em jogo BERNARDO MELLO FRANCO Mundo Adriana Carranca Economia Miriam Leitão Lauro Jardim Defesa do Consumidor Previdência e trabalho Indicadores Carros Sociedade Conte algo que não sei Educação História Religião Sexo Sustentabilidade Tecnologia Ciência Saúde Cultura Patrícia Kogut Rio Show Filmes Música Teatro e Dança Artes visuais Livros Ela Moda Beleza Gente Gastronomia Horóscopo Decoração Esportes Botafogo Flamengo Fluminense Vasco Panorama Esportivo Radicais Pulso TV Patrícia Kogut Viagem Mais + Opinião Blogs Vídeos Fotos Previsão do tempo Infográficos Eu-repórter Facebook Twitter Google+ MemoriaAcervoElaPatrícia KogutRio ShowExtraClassificadosClube Sou + Rio Economia Compartilhar Recomendar Tweet 0 Google+ Buscar Buscar no site do Globo Economia Ir para a página Miriam Leitão Lauro Jardim Defesa do Consumidor Previdência e trabalho Indicadores Carros Assuntos em Destaque Após reforma trabalhista, sindicatos tentam driblar fim da contribuição Tempo médio de desemprego é de um ano e dois meses no Brasil Em 2016, tempo era de 12 meses Venezuela inicia a pré-venda da moeda virtual Petro O que vem por aí 'Brasil saiu da crise e vai bem', diz Henrique Meirelles em entrevista ANÁLISE: Governo jogou pacote velho no lugar da reforma da Previdência Tópicos Reforma trabalhista Marcas dos Cariocas 2017 Previdência Educação Financeira Emprego na crise Ciclos Empresariais Notícias CNC | Sesc | Senac Publicidade Em destaque Após reforma trabalhista, sindicatos tentam driblar fim da... Tempo médio de desemprego é de um ano e dois meses no... Venezuela inicia a pré-venda da moeda virtual Petro O que vem por aí ANÁLISE: Governo jogou pacote velho no lugar da reforma da... Orçamento público não dá conta do mínimo necessário Especialista diz que novo modelo de concessão de rodovias pode atrair estrangeiros por Danielle Nogueira 13/09/2017 4:30 / Atualizado 13/09/2017 7:18 Paulo Resende, especialista em mobilidade e logística da Fundação Dom Cabral - Márcia Foletto / Agência O Globo Publicidade RIO - O coordenador do núcleo logístico da Fundação Dom Cabral, Paulo Resende, é um dos grandes especialistas em infraestrutura do país. Na sua avaliação, a crise fiscal foi determinante na decisão do governo de introduzir um novo modelo de concessão, que tem como foco a manutenção das rodovias, algo inédito no país. Na sua opinião, o maior risco desse tipo de concessão é um planejamento de demanda mal calculado. Um eventual aumento não esperado no fluxo de veículos poderia exigir obras estruturantes, de duplicação das estradas por exemplo, que dificilmente seriam viáveis em um período de dez anos, considerado curto para que investimentos desse porte deem retorno financeiro. LEIA MAIS: Governo lançará concessão de curto prazo para manutenção de rodoviasO governo pretende licitar trechos de rodovias por um período curto, de até dez anos, basicamente para manutenção. Esse modelo é viável?Concordo com o modelo de concessões curtas, desde que exclusivamente para a manutenção. Mas há riscos. Se uma rodovia concedida sob essas regras começa a ter muita demanda, o que exigiria obras estruturantes, temos um problema. O concessionário estará preso a um contrato de manutenção e não conseguirá investir o necessário em uma duplicação, por exemplo, porque o período de dez anos seria muito curto para que ele obtivesse o retorno do investimento. Entre as rodovias que poderiam ser concedidas sob este modelo estão várias do Centro-Oeste, polo do agronegócio, como um trecho da BR 262 no Mato Grosso do Sul. Pode haver esse risco lá?A ideia é adotar esse modelo em rodovias do Centro-Oeste que têm um tráfego razoável e que, por isso, podem cobrar pedágios razoavelmente baratos. Mas cuja demanda não é tão elevada que exija expansões. Essas rodovias vão alimentar outros modais, ferrovias e hidrovias, que serão os trechos troncais. O governo precisa apenas ter bastante cuidado com o andor. Não pode sair transferindo tudo de maneira açodada sem considerar análises de demanda. O governo avalia adotar o sistema de pedágio único. Isso funciona?Acho difícil rodovias em regiões diferentes do país terem o mesmo pedágio. Há características locais que devem ser respeitadas. Acredito que vai ter uma espécie de gatilho, que levará as concessionárias a fazer determinados investimentos de acordo com o maior ou menor fluxo. Seria uma tarifa variável. Publicidade A crise foi determinante para a decisão do governo de adotar este modelo?Sim, esse é o cerne da questão. Pela primeira vez na História, o governo brasileiro chega à conclusão de que o Orçamento público não dá conta do mínimo necessário. O governo não tem dinheiro apenas para novas obras, ele não tem dinheiro sequer para manutenção. Isso é politicamente ruim para ele. Temos experiência com contratos de mais curto prazo de fornecedores, mas não de gestores de rodovias. Esse modelo existe em outros países?Sim, é bastante difundido. Existe em países como Estados Unidos, Austrália, Canadá, Inglaterra, França, Itália, entre outros. A grande diferença é que, na iniciativa privada, é possível cobrar melhor indicadores de desempenho do que na esfera pública. Quem vai se interessar pela disputa de uma concessão seguindo essas regras?As grandes construtoras, que detêm concessões hoje, estão em situação complicada, com envolvimento na Lava-Jato. A novidade nesse novo modelo ser
... ++ Mais

TAGS:

Home menu Home Ancelmo.com Gente Carnaval Bairros Design Eu-repórter Trânsito Brasil Lauro Jardim Elio Gaspari Merval Pereira José Casado Poder jogo BERNARDO MELLO FRANCO Mundo Adriana Carranca Economia Miriam Leitão Lauro Jardim Defesa Consumidor Previdência trabalho Indicadores Carros Sociedade Conte algo não Educação História Religião Sexo Sustentabilidade Tecnologia Ciência Saúde Cultura Patrícia Kogut Show Filmes Música Teatro Dança Artes visuais Livros Moda Beleza Gente Gastronomia Horóscopo Decoração Esportes Botafogo Flamengo Fluminense Vasco Panorama Esportivo Radicais Pulso Patrícia Kogut Viagem Mais Opinião Blogs Vídeos Fotos Previsão tempo Infográficos Eu-repórter Facebook Twitter Google+ MemoriaAcervoElaPatrícia KogutRio ShowExtraClassificadosClube Economia Compartilhar Recomendar Tweet Google+ Buscar Buscar site Globo Economia para página Miriam Leitão Lauro Jardim Defesa Consumidor Previdência trabalho Indicadores Carros Assuntos Destaque Após reforma trabalhista sindicatos tentam driblar contribuição Tempo médio desemprego dois meses Brasil 2016 tempo meses Venezuela inicia pré-venda moeda virtual Petro Brasil saiu crise Henrique Meirelles entrevista ANÁLISE: Governo jogou pacote velho lugar reforma Previdência Tópicos Reforma trabalhista Marcas Cariocas 2017 Previdência Educação Financeira Emprego crise Ciclos Empresariais Notícias Sesc Senac Publicidade destaque Após reforma trabalhista sindicatos tentam driblar da... Tempo médio desemprego dois meses no... Venezuela inicia