BAIRROS

Qual seu Bairro? Estado: Cidade:

CONHEÇA O GOOGLE SUÍTE - GSUITE, UM NOVO MUNDO PARA SUA EMPRESA - CLIQUE AQUI!

Critica 039 Outono No Sudeste 039 De Mauricio Pereira E Por Do Sol No Ar Poluido - - Cidade - Estado


Fonte: https://oglobo.globo.com/cultura/musica/critica-outono-no-sudeste-de-mauricio-pereira-por-do-sol-no-ar-poluido-22682159


Voltar

Acessar Navegação Cultura Assine Buscar Buscar Acesse no Facebook Twitter Instagram Rio Brasil Mundo Economia Cultura Sociedade Tecnologia Ciência Saúde Educação Esportes Viagem Bairros Opinião Blogs TV Vídeos Fotos Infográficos Últimas Notícias Reage Rio Rio Gastronomia Carros Defesa do Consumidor Gastronomia Investimentos Saber Viver Ciclos Empresariais Notícias CNC | Sesc | Senac Viva a Transformação Acesse no Facebook Twitter Instagram Receba nossas newsletters Cadastrar Música Publicidade Em destaque Javier Bardem conta por que decidiu viver Pablo Escobar no... Asia Argento nega assédio e diz que foi Anthony Bourdain... Tribalistas anunciam show extra no Rio de Janeiro VMA 2018: tudo o que você precisa saber sobre a premiação... Chucho Valdés e Gonzalo Rubalcaba unem tradições em duo de... Crítica: 'Outono no sudeste', de Maurício Pereira, é pôr do sol no ar poluído Compositor traz sua poética sensível, urbana e crua em sonoridade renovada Maurício Pereira. Compositor une senso de observação agudo que vê além das coisas e poesia arrancada da fala - Divulgação/ Rui Mendes por Leonardo Lichote 15/05/2018 4:30 Publicidade RIO - Em “A mais (Rubião blues)”, faixa que abre “Outono no sudeste”, Maurício Pereira inventaria em versos o conteúdo de seus bolsos: “Coelho, moeda, macaco, dragão/ Girassol vermelho/ Tudo pra te dar/ Bola de gude, um trem, meus desejos”. De alguma maneira, é isso que o compositor faz ao longo das 12 canções do álbum — só ou com os parceiros Morris Picciotto, Arthur de Faria, Skowa, Lu Horta, Daniel Szafran, Edson Natale, Daniel Galli, Felipe Trielli, Tonho Penhasco e Rhaissa Bittar. Com um senso de observação agudo que olha as coisas além das coisas e uma dicção melódica que arranca poesia da fala como se ela sempre estivesse ali, Pereira traça inventários dos sons da noite (“Tudo tinha ruído”), do corpo humano (“Os amigos ou o coração é um órgão”), de um piquenique (“Piquenique no Horto”), de um jogo de futebol (“Quatro dois quatro”). Quem acompanha Pereira sabe que esse caminho não é estranho à sua poética, pelo contrário — “Trovoa”, sua canção mais conhecida, hit indie já gravado por Metá Metá e Maria Gadú, é apenas o exemplo mais evidente disso. O que “Outono no sudeste” desbrava é a forma como esse universo se materializa na sonoridade comandada pelo produtor Gustavo Ruiz. Uma sonoridade que reflete, talvez ainda mais do que as letras, a beleza melancólica, a despeito de luminosa, que o título do disco (“Outono no sudeste”) carrega. O diálogo entre piano e sopros (bombardino, flugelhorn, trompete, saxofones) comanda. Sob essa liderança, o calor bluesy, a elegância jazzy e outros “ípsilons” climáticos dão o tom geral em meio ao ambiente de banda de coreto (na canção de coreto “Piquenique no Horto”), de Jorge-Ben-Jor-encontra-Marcos-Valle-no-Pacaembu (em “Quatro dois quatro”) ou de carimbó globalizado (“Não me incommodity”). Músicos jovens dão frescor ao álbum — entre eles Gabriel Basile e Tim Bernardes (ambos do Terno, sendo o segundo filho de Pereira, assim como Manuela Pereira e Chico Bernardes, que também participam do disco). Sobre essa cama, Pereira deita sua poesia urbana (mais que isso paulistana, nas referências espalhadas pelos versos e no jeito de corpo), apoiada numa métrica que muitas vezes carrega a incerteza da língua falada. Vida, amores, dramas da cidade, nada é grandioso — ou melhor, a grandiosidade de tudo se revela no pequeno. A mínima imagem de Nossa Senhora em meio a barris de petróleo que ele canta em “Não me incommodity”, os buracos na calçada de “Mulheres de bengalas” e o autorretrato cru de uma pedra (“O pó da estrada é a minha maquiagem”) que brilha sob a luz da lua e sob trompetes mariachis em “Uma pedra”. Talvez a imagem-síntese mais eficaz do álbum seja a da faixa-título: “O ar tá particularmente imundo hoje/ E isso deixa o pôr do sol ainda mais bonito”. Publicidade Anterior Morre Glenn Branca, guitarrista e mestre da música de vanguarda Próxima Gilberto Gil traz de volta ao Rio show dos 40 anos de 'Refavela' Newsletter As principais notícias do dia no seu e-mail. Receber Já recebe a newsletter diária? Veja mais opções. Digite as letras da imagem: Receber TROCAR IMAGEM Quase pronto... Acesse sua caixa de e-mail e confirme sua inscrição para começar a receber nossa newsletter. Ocorreu um erro.Tente novamente mais tarde. Email inválido. {{mensagemErro}} Últimas de Música Tribalistas anunciam show extra no Rio de Janeiro 21/08/2018 11:22 VMA 2018: tudo o que você precisa saber sobre a premiação da MTV 21/08/2018 8:46 Chucho Valdés e Gonzalo Rubalcaba unem tradições em duo de pianos 21/08/2018 4:30 César Lacerda apresenta seu ‘fofolk’ no Toca no Telhado do GLOBO 21/08/2018 4:16 Especial Publicitário Prev Next Em destaque agora Brasil Pesquisa mostra que, até agora, nada impactou o eleitorado na corrida... Pesquisa é retrato da indefinição que domina disputa Exclusivo para assinantes Brasil Ibope: 60% do eleitorado diz que não votará em Haddad com Lula fora da... Bolsonaro é o líder na taxa de rejeição, com 37%; ex-presidente fica em segundo Economia Após pesquisas eleitorais, dólar volta a subir e já é negociado a quase... Embora moeda americana perca
... ++ Mais

TAGS:

Acessar Navegação Cultura Assine Buscar Buscar Acesse Facebook Twitter Instagram Brasil Mundo Economia Cultura Sociedade Tecnologia Ciência Saúde Educação Esportes Viagem Bairros Opinião Blogs Vídeos Fotos Infográficos Últimas Notícias Reage Gastronomia Carros Defesa Consumidor Gastronomia Investimentos Saber Viver Ciclos Empresariais Notícias Sesc Senac Viva Transformação Acesse Facebook Twitter Instagram Receba nossas newsletters Cadastrar Música Publicidade destaque Javier Bardem conta decidiu viver Pablo Escobar no... Asia Argento nega assédio Anthony Bourdain... Tribalistas anunciam show extra Janeiro 2018: tudo você precisa saber sobre premiação... Chucho Valdés Gonzalo Rubalcaba unem tradições de... Crítica: Outono sudeste Maurício Pereira pôr poluído Compositor traz poética sensível urbana crua sonoridade renovada Maurício Pereira. Compositor senso observação agudo além coisas poesia arrancada fala Divulgação/ Mendes Leonardo Lichote 15/05/2018 4:30 Publicidade “A mais (Rubião blues)” faixa abre “Outono sudeste” Maurício Pereira inventaria versos conteúdo seus bolsos: “Coelho moeda macaco dragão/ Girassol vermelho/ Tudo dar/ Bola gude trem meus desejos”. alguma maneira isso compositor longo canções álbum parceiros Morris Picciotto Arthur