BAIRROS

Qual seu Bairro? Estado: Cidade:

CONHEÇA O GOOGLE SUÍTE - GSUITE, UM NOVO MUNDO PARA SUA EMPRESA - CLIQUE AQUI!

Coreia Do Norte Promete Acelerar Programa Nuclear Apos Sancoes Da Onu - - Cidade - Estado


Fonte: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2017/09/13/coreia-do-norte-promete-acelerar-programa-nuclear-apos-sancoes-da-onu.htm


Voltar

Assine 0800 703 3000 / SAC Bate-papo Notícias Esporte Entrete Estilo Famosos TV UOL BOL PagSeguro UOL Notícias Últimas Notícias Fotos Vídeos Infográficos Blogs e colunas Ciência e Saúde Economia Página principal Cotações Finanças Pessoais Empreendedorismo Empregos e Carreiras Imposto de Renda UOL Invest Inter Jornais Política Página principal Eleições 2016 Políticos do Brasil UOL Confere Tecnologia Tabloide Loterias + Canais Carros Educação Vestibular Previsão do Tempo Coreia do Norte promete acelerar programa nuclear após sanções da ONU Em Seul 13/09/201707h50 Foto: AFP A Coreia do Norte prometeu acelerar seus programas militares, em resposta às "maléficas" sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU A Coreia do Norte prometeu acelerar seus programas militares, em resposta às "maléficas" sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU após o sexto teste nuclear do país. "A adoção de uma ilegal e maléfica nova 'resolução de sanções' impulsionadas pelos Estados Unidos constitui uma oportunidade para que a Coreia do Norte comprove que o caminho que escolheu é absolutamente correto", declarou o Ministério norte-coreano das Relações Exteriores em nota divulgada pela agência oficial de notícias KCNA. A Coreia do Norte "redobrará esforços para incrementar seu poderio e proteger a soberania nacional e o direito a existir", acrescentou o comunicado. A Chancelaria norte-coreana também rejeitou a resolução, classificando-a de "odiosa provocação destinada a privar a Coreia do Norte de seu legítimo direito à autodefesa e a sufocar seu Estado e seu povo por meio de um bloqueio econômico de grande envergadura". Em Seul, o Ministério da Unificação alegou que se trata da "resposta mais moderada [de Pyongyang] a uma resolução do Conselho de Segurança da ONU". Na segunda-feira (11), a ONU aprovou por unanimidade a resolução promovida pelos Estados Unidos e apoiada por China e Rússia. Esta foi a oitava série de sanções e proíbem as exportações têxteis da Coreia do Norte e restringem seu abastecimento em petróleo e gás. Washington queria impor à Coreia do Norte um embargo total sobre suas importações de petróleo e congelar os bens de seu dirigente, Kim Jong-un, mas teve de ceder para conseguir o apoio de Pequim e Moscou. A nova resolução prevê limitar as entregas de petróleo à Coreia do Norte a seu nível dos 12 últimos meses. O texto proíbe ainda a concessão de novas permissões de trabalho aos cerca de 93.000 norte-coreanos que trabalham no exterior e constituem uma importante fonte de receita para o governo. Há pouco mais de um mês, o Conselho havia aprovado sanções para privar o regime norte-coreano de um terço de sua receita, o correspondente a US$ 1 bilhão ao ano. Neste pacote, vetava-se as exportações norte-coreanas de carvão, ferro e frutos do mar, depois do lançamento - em meados de agosto - de um míssil de médio alcance que sobrevoou o Japão. Ceticismo Alguns especialistas expressaram ceticismo a respeito do alcance do texto adotado ontem, alegando que as sanções anteriores não impediram o grande avanço dos programas nuclear e balístico de Pyongyang. Depois de testar dois mísseis intercontinentais em julho, a Coreia do Norte realizou em 3 de setembro o sexto teste nuclear, o mais importante até o momento. O site especializado americano 38 North, ligado à Universidade Johns Hopkins, informou nesta quarta-feira que o último teste nuclear da Coreia do Norte teve, "aproximadamente", a potência de 250 quilotons, mais de 16 vezes a força da bomba que destruiu a cidade japonesa de Hiroshima, em 1945. O teste foi realizado na semana passada e, segundo Pyongyang, trata-se de uma bomba de hidrogênio capaz de ser transportada por uma ogiva de míssil. "Este grande poder explosivo é próximo ao limite atribuído pelo 38 North para o sítio de testes de Punggye-ri", acrescenta o site. A Coreia do Sul estimou a potência do último teste em 50 quilotons, e o Japão, em 160 quilotons. Segundo 38 North, imagens de satélite de sexta-feira passada, cinco dias após o teste, revelam atividade nas entradas do túneis em Punggye-ri, incluindo caminhões estacionados e outros equipamentos. "As obras podem estar mudando o propósito e a capacidade para novos testes nucleares subterrâneos", acrescenta.   Receba notícias do UOL. É grátis! Facebook Messenger As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger Começar agora Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto! Veja também Coreia do Norte afirma que EUA pagarão devido preço por liderar sanções da ONU Trump afirma que ação militar é "certamente uma opção" contra Coreia do Norte Crise com Coreia do Norte faz líder japonês virar colega de telefone de Trump Seul fala de "situação imprevisí
... ++ Mais

TAGS:

Assine 0800 3000 Bate-papo Notícias Esporte Entrete Estilo Famosos PagSeguro Notícias Últimas Notícias Fotos Vídeos Infográficos Blogs colunas Ciência Saúde Economia Página principal Cotações Finanças Pessoais Empreendedorismo Empregos Carreiras Imposto Renda Invest Inter Jornais Política Página principal Eleições 2016 Políticos Brasil Confere Tecnologia Tabloide Loterias Canais Carros Educação Vestibular Previsão Tempo Coreia Norte promete acelerar programa nuclear após sanções Seul 13/09/201707h50 Foto: Coreia Norte prometeu acelerar seus programas militares resposta "maléficas" sanções impostas pelo Conselho Segurança Coreia Norte prometeu acelerar seus programas militares resposta "maléficas" sanções impostas pelo Conselho Segurança após sexto teste nuclear país. adoção ilegal maléfica nova resolução sanções impulsionadas pelos Estados Unidos constitui oportunidade para Coreia Norte comprove caminho escolheu absolutamente correto" declarou Ministério norte-coreano Relações Exteriores nota divulgada pela agência oficial notícias KCNA. Coreia Norte "redobrará esforços para incrementar poderio proteger soberania nacional direito existir" acrescentou comunicado. Chancelaria norte-coreana também rejeitou resolução classificando-a "odiosa provocação destinada privar Coreia Norte legítimo direito autodefesa sufocar Estado povo meio bloqueio econômico grande envergadura". Seul Ministério Unificação alegou trata "resposta mais moderada Pyongyang]