BAIRROS

Qual seu Bairro? Estado: Cidade:

CONHEÇA O GOOGLE SUÍTE - GSUITE, UM NOVO MUNDO PARA SUA EMPRESA - CLIQUE AQUI!

Centro Oeste E Rondonia Depois De Getulio E Juscelino - - Cidade - Estado


Fonte: http://rondoniadinamica.com/arquivo/centro-oeste-e-rondonia-depois-de-getulio-e-juscelino,20940.shtml


Voltar

Capa Política Geral Artigos & Colunas Polícia Interior Menu Capa Editorias + Política Geral Artigos & Colunas Polícia Contato Contato Últimas Notícias 15/07 | 14:15 - França vence a Croácia e conquista a Copa do Mundo da Rússia 15/07 | 14:11 - Consulta ao PIS estará disponível nesta segunda-feira 15/07 | 14:08 - Plano para recuperar economia do RJ patina com imprevistos 15/07 | 14:05 - Em crise, Fies tem 60% de inadimplência e sobram vagas 15/07 | 13:59 - Mega-Sena acumula e pode chegar a R$ 56 milhões no próximo sorteio 15/07 | 13:09 - Temer retoma plano nuclear e governo prevê várias usinas 15/07 | 13:05 - Uma parte relevante da sociedade é fascista, sim, diz Vladimir Brichta 15/07 | 13:01 - Preso há 100 dias, Lula mantém PT imobilizado 15/07 | 12:57 - Whindersson Nunes posta foto de ‘testa gigante’ de Larissa Manoela  15/07 | 12:53 - Paris vive clima de 'já ganhou' e tem multidão nas ruas durante a final Você está aqui: Capa / Notícias / Geral LIVRO Centro-Oeste e Rondônia depois de Getúlio e Juscelino — Publicada em 05 de março de 2018 às 10:24 Para produzir o livro “Centro-Oeste e Rondônia depois de Getúlio e Juscelino” na verdade, não foi uma das tarefas mais fáceis, relata o jornalista, José Luiz Alves, que ao longo de vários anos vem pesquisando a trajetória econômica e social desta região, que começou a conquistar espaço a partir de 1942, com o evento da Segunda Guerra Mundial. Porém tornou-se gratificante contextualizar de maneira clara e objetiva os acontecimentos e fatos de épocas distintas. A obra com 210 páginas em fase de revisão vem de encontro à necessidade de se registrar por todos os ângulos, a outra face de um quadro, que assim como tantos outros episódios, nas histórias regionais, ou do País, só se conhece “por ouvi dizer, ou meu avô contava”, sustenta o jornalista. Obrigatoriamente ao colocar no papel não poderia deixar passar em branco a figura do marechal Cândido Rondon, que apesar do fracasso da linha telegráfica, assim como a Ferrovia Madeira-Mamoré, mas que serviram de base aos ambiciosos projetos desenvolvimentistas de Getúlio Vargas e Juscelino Kubitscheck, estadistas visionários e sonhadores “cada um ao seu tempo, fizeram a diferença”, frisa José Luiz Alves “Na medida do possível, busquei retratar o lado controverso, ainda na atualidade, quando se debate o desenvolvimento sustentável com o ambientalmente correto registrando para as futuras gerações, que a região Centro-Oeste, Amazônica e por via de conseqüência o Estado de Rondônia, nem sempre foram uma maravilha”, argumenta o jornalista. Contudo, Rondônia, representa uma parcela importante no Produto Interno Bruto (PIB) do País, sendo o Estado que mais cresce na região Norte, ao lado do Centro-Oeste, com a soja, o milho e boi gordo transformando a paisagem e a vida de muita gente. “Realizei dezenas de entrevistas com pessoas que vivenciaram de uma maneira ou de outra o desenvolvimento desta área territorial (Rondônia) que em menos de 80 anos ocupando um espaço físico com pouco mais de 237 mil quilômetros quadrados, praticamente o tamanho do Rio Grande do Sul, no período agudo da crise econômica, política e social que sacudiu o Brasil entre 2015 e 2018 manteve um crescimento médio de 3,5% acima da média nacional”. Tem mais: José Luiz foi buscar na Fundação Getúlio Vargas no Rio de Janeiro, com a socióloga, neta de Getúlio Vargas, Celina Vargas do Amaral Peixoto, um exemplar do “Diário de Getúlio” de 1937 a 1942, quando ele criou o então Território do Guaporé. “Li as 900 páginas com textos críticos e outros hilariantes, onde Getúlio Vargas comenta sobre o tempo que se perde com as tricas e futricas dos políticos”, diz. A obra prevista para ser lançada em nível nacional entre julho e agosto, revela equívoco e acertos dos governos militares entre 1961 e 1985, quando nos anos de 1970 e 1980 o Brasil registrou o maior fenômeno migratório de sua história com milhares de agricultores e famílias do Sul se deslocando para o Norte. A ordem era “integrar para não entregar” e “terras para homens sem terra”. O político ou pensador moderno, ao folhear “Centro-Oeste e Rondônia depois de Getúlio e Juscelino” constatará que o território de Rondônia, viveu isolado por mais de 400 anos baseado na economia rudimentar na coleta de produtos ofertados pela natureza, látex, essências, castanhas, ervas medicinais, peles de animais selvagens, garimpos de ouro e diamante, por certo, pode considerar que tudo que está escrito “foi uma verdadeira insanidade”. Não é para menos. Desde o inicio das obras da Ferrovia Madeira-Mamoré em 1907 a 1912 onde cada dormente implantado representou a vida de cada um dos 10 mil trabalhadores, passando pela BR 364 até a virada do século 20, o desenvolvimento de Rondônia, com Getúlio, Juscelino e militares, incluindo o Centro-Oeste e Amazônia, gostem ou não os bairristas, foi irrigado pelo sangue, suor e sofrimento de milhares de brasileiros. “Muitos vieram e nunca mais retornaram”, finaliza José Luiz Alves. Autor / Fon
... ++ Mais

TAGS:

Capa Política Geral Artigos Colunas Polícia Interior Menu Capa Editorias Política Geral Artigos Colunas Polícia Contato Contato Últimas Notícias 15/07 14:15 França vence Croácia conquista Copa Mundo Rússia 15/07 14:11 Consulta estará disponível nesta segunda-feira 15/07 14:08 Plano para recuperar economia patina imprevistos 15/07 14:05 crise Fies inadimplência sobram vagas 15/07 13:59 Mega-Sena acumula pode chegar milhões próximo sorteio 15/07 13:09 Temer retoma plano nuclear governo prevê várias usinas 15/07 13:05 parte relevante sociedade fascista Vladimir Brichta 15/07 13:01 Preso dias Lula mantém imobilizado 15/07 12:57 Whindersson Nunes posta foto ‘testa gigante’ Larissa Manoela  15/07 12:53 Paris vive clima ganhou multidão ruas durante final Você está aqui: Capa Notícias Geral LIVRO Centro-Oeste Rondônia depois Getúlio Juscelino Publicada março 2018 10:24 Para produzir livro “Centro-Oeste Rondônia depois Getúlio Juscelino” verdade não tarefas mais fáceis relata jornalista José Luiz Alves longo vários anos pesquisando trajetória econômica social desta região começou conquistar espaço partir 1942 evento Segunda Guerra Mundial. Porém tornou-se gratificante contextualizar maneira clara objetiva acontecimentos fatos épocas distintas. obra páginas fase revisão encontro necessidade registrar todos ângulos outra face quadro assim como tantos outros episódios histórias regionais País conhece “por ouvi dizer avô contava” sustenta jornalista. Obrigatoriamente