BAIRROS

Qual seu Bairro? Estado: Cidade:

CONHEÇA O GOOGLE SUÍTE - GSUITE, UM NOVO MUNDO PARA SUA EMPRESA - CLIQUE AQUI!

Brasil O Pais Que Menos Valoriza O Professor - - Cidade - Estado


Fonte: https://veja.abril.com.br/educacao/brasil-o-pais-que-menos-valoriza-o-professor/


Voltar

account_circle Acesse sua conta Assine trending_up Trending Palavras cruzadas Jair Bolsonaro Cuba Lula Enem Newsletter Revista Revista VEJA Assine a newsletter Brasil Ciência Economia Educação Entretenimento Esporte Mundo Placar Política Saúde Tecnologia Comer & Beber TVEJA Blogs Últimas Notícias Livros mais vendidos Amarelas.com Primeira Pessoa Página Aberta Especiais Galeria de Fotos Acervo Digital App Revista VEJA digital Expediente Anuncie Abril.com Grupo Abril Abril SAC Clube do Assinante GoRead Fale conosco Política de privacidade Termos de uso Facebook VEJA Twitter VEJA G+ VEJA Youtube VEJA Instagram VEJA menu Group 21 Copy 4 Created with Sketch. Assine search trending_up Palavras cruzadas Jair Bolsonaro Cuba Lula Enem Newsletter Revista Mais vistas Mundo1EUA elogiam postura de Bolsonaro em relação ao 'Mais Médicos' Felipe Moura Brasil2Deu no Wall Street Journal: Tráfico de médicos escravos, adotado por Dilma, “é o crime perfeito”. Cuba ganha quase 8 bilhões de dólares por ano e ainda posa de solidária Política3Os três embates entre Lula e a nova juíza da Lava Jato Intervenção4Já se falou demais das grosserias de Silvio Santos Mundo5Na China, atos dos cidadãos valerão pontos e limitarão seus projetos Bahia6Colégio proíbe alunos de renovarem matrícula após defenderem tortura Educação Brasil: o país que menos valoriza o professor Pesquisa da Varkey Foundation mostra que país passou de penúltimo para último lugar entre as 35 nações avaliadas; China lidera o índice Por Bruna Motta access_time 9 nov 2018, 11h10 - Publicado em 8 nov 2018, 18h57 chat_bubble_outline more_horiz Segundo o estudo, a maioria dos entrevistados brasileiros afirmou que a profissão mais comparável a de professor é a de bibliotecário (Hans von Manteuffel/Agência O Globo) Segundo a pesquisa da instituição beneficente de ensino global Varkey Foundation, divulgada nesta quarta-feira (07), o Brasil é o país que mais desvaloriza o professor entre as 35 nações avaliadas. O Índice Global de Status de Professores teve sua estreia em 2013 e também mostrava uma posição desconfortável do Brasil: penúltimo lugar. Desta vez, está em último. As informações são baseadas em análises de opinião realizadas pelo Instituto Nacional de Pesquisa Econômica e Social da Inglaterra (National Institute of Economic and Social Research) com mais de 35.000 adultos na faixa etária dos 16 aos 64 anos e mais de 5.500 professores ativos em 35 países. Veja tambémPolíticaMeia-volta, volverquery_builder 9 nov 2018 - 07h11 A pesquisa mostra que 9 em cada 10 brasileiros acreditam que não há respeito por parte dos alunos aos seus professores. É o menor número entre os 35 países pesquisados. Outro tema apresentado foi a carga horária semanal dos profissionais em sala de aula, onde a pesquisa aponta o desconhecimento do público em relação ao tempo gasto pelos mestres. De acordo com o índice, os professores brasileiros têm uma carga horária semanal muito maior do que se pensa — 47,7 horas semanais, enquanto o brasileiro julga ser 39,2 horas no período. “Os professores são contratados para 10h/16h semanais. Isso o obriga a dar aulas em diferentes redes ou criando profissões paralelas”, afirma Claudia Costin, professora universitária e ex-secretária de Educação no Rio de Janeiro. Segundo a especialista, seriam necessários contratos de 40 horas semanais, o que criaria um ambiente adequado para os profissionais planejarem suas aulas, participarem de grupos colaborativos com outros profissionais e também estreitarem a relação com os alunos. Ainda de acordo com o levantamento, a maioria dos entrevistados brasileiros afirma que a profissão mais comparável a de professor é a de bibliotecário. Na China, líder no índice, Rússia e Malásia, os mestres são mais comparáveis a médicos. Costin explica que a diferença do Brasil para os países que valorizam o profissional de educação vai além dos baixos salários, que tornam a profissão menos atrativa. “Não temos exigências altas no Brasil. Os alunos piores no Enem vão para o curso de professor. Lá fora é dificílimo se tornar professor
... ++ Mais

TAGS:

account_circle Acesse conta Assine trending_up Trending Palavras cruzadas Jair Bolsonaro Cuba Lula Enem Newsletter Revista Revista VEJA Assine newsletter Brasil Ciência Economia Educação Entretenimento Esporte Mundo Placar Política Saúde Tecnologia Comer Beber TVEJA Blogs Últimas Notícias Livros mais vendidos Amarelas.com Primeira Pessoa Página Aberta Especiais Galeria Fotos Acervo Digital Revista VEJA digital Expediente Anuncie Abril.com Grupo Abril Abril Clube Assinante GoRead Fale conosco Política privacidade Termos Facebook VEJA Twitter VEJA VEJA Youtube VEJA Instagram VEJA menu Group Copy Created with Sketch. Assine search trending_up Palavras cruzadas Jair Bolsonaro Cuba Lula Enem Newsletter Revista Mais vistas Mundo1EUA elogiam postura Bolsonaro relação 'Mais Médicos' Felipe Moura Brasil2Deu Wall Street Journal: Tráfico médicos escravos